Arquitetura estratégica

Uso estratégico da arquitetura nos ambientes de saúde


artigo escrito por
fevereiro 12th, 2020

Quando falamos em Arquitetura para Ambientes de Saúde e mostramos o quanto essa área tem evoluído e caminhado lado a lado com as necessidades do paciente/cliente é necessário voltar no tempo. Durante a Idade Média os edifícios hospitalares nada mais eram que espaços insalubres, com iluminação e ventilação precárias, realmente destinados ao depósito de pacientes. A expectativa de vida era baixa, os hospitais eram ligados à ideia de morte e possuíam como única finalidade o confinamento dos enfermos a fim de proteger os que estavam fora desses ambientes.

Diante dessa mentalidade, os ambientes hospitalares não visavam o bem-estar, a cura e a vida dos pacientes. Os edifícios que abrigavam os hospitais reproduziam a mesma arquitetura pesada das catedrais, com paredes largas que mais se assemelhavam a prisões. Somente em meados de 1780, é que a consciência de que o hospital poderia e deveria ser um instrumento destinado a curar começou a aparecer.

Ao longo dessa última década, o advento do smartphone e um foco maior na arquitetura baseada em valor significou maior uso da tecnologia dentro de instalações de saúde. Uma das maiores vantagens deste desenvolvimento é que nos permite prever maneiras que podemos alavancar novas tecnologias para apoiar e melhorar a Arquitetura/Design centrada no paciente.